terça-feira, 18 de janeiro de 2011

O ANJO DO SENHOR É DEUS, E TAMBÉM O PRÓPRIO SENHOR JESUS


O ANJO DO SENHOR
Tenho lido muita coisa na matéria ANGELOLOGIA da teologia bíblica, mas pouco ou quase nada se fala do ANJO DO SENHOR que aparece exclusivamente no Antigo Testamento. Muitos teólogos brasileiros, profundos conhecedores da Palavra de Deus, preferem calar-se sobre esse assunto. Muitos afirmam tratar-se de um assunto muito polêmico e, portanto, deixam o assunto sem uma conclusão. Na verdade essa polêmica toda em torno deste assunto não passa de frescura, pois para mim, não há polêmica nenhuma, por que quando a Palavra de Deus afirma uma coisa, eu tenho que acatar essa afirmação, mesmo que pareça contradizer outras coisas.

Em minha modesta opinião, acredito que a Palavra de Deus possui argumentos conclusivos para nos mostrar a verdadeira identidade desse Ser que tanto causa controvérsia entre os próprios cristãos. Quero mostrar pela Palavra de Deus que o Anjo do Senhor é o próprio Deus, e além do mais, o próprio Senhor Jesus pré-encarnado, isto é, antes da encarnação.

A Bíblia deixa claro que:

“Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade.” II Co 13.8

Isso deixa claro que não pode haver contradições entre as verdades constantes na Bíblia. Eu entendo que devemos confrontar uma verdade bíblica com outra verdade bíblica, e, caso haja alguma contradição, se eu não conseguir resolver, ou se não houver conformidade entre as verdades expostas, na certa sou eu que não estou conseguindo entender. O problema deve estar sempre comigo e nunca com a Palavra de Deus, que é fiel e digna de toda aceitação.

“...sempre seja Deus verdadeiro, e todo o homem mentiroso...” Rm 3.4

O ANJO DO SENHOR, segundo a Bíblia

Parece-me que a revelação bíblica acerca do Anjo do Senhor é gradual até chegar a conclusão de que se trata do próprio Deus, e, consequentemente, Cristo. A primeira ocorrência sobre o Anjo do Senhor aparece em Gn 16.7-13. Podemos notar na conversa entre o Anjo do Senhor e Agar que não se trata de um anjo qualquer ou apenas um emissário (mensageiro) do Senhor, mas do próprio Senhor. Em Gn 16.10 mostra o Anjo do Senhor abençoando Agar e em nenhum momento Ele diz algo como “Assim diz o Senhor”. Ele usa o pronome pessoal EU ao falar com Agar:

“Disse-lhe mais o Anjo do Senhor: Multiplicarei sobremaneira a tua descendência, que não será contada, por numerosa que será.” (grifo meu)

Já no verso 13 Moisés registrou que Agar acreditava tratar-se do próprio Senhor aquEle que falava com ela:

“E ela chamou o nome do Senhor, que com ela falava: Tu és Deus que me vê; porque disse: Não olhei eu também para aquele que me vê?” (grifo meu)

Bastava esse único versículo para desbancar toda essa confusão em torno do Anjo do Senhor, mas quero usar mais argumentos e mostrar todos os versos disponíveis na Palavra de Deus.

Em Gn 22 relata o acontecimento da prova de Abraão, e mais uma vez podemos notar como o Anjo do Senhor age e fala de uma forma que somente Deus pode fazer.

No verso 11 podemos concluir que quem está dialogando com Abraão é o próprio Anjo do Senhor:

“Mas o anjo do Senhor lhe bradou desde os céus, e disse: Abraão, Abraão! E ele disse: Eis-me aqui.”

No verso 12 o Anjo do Senhor deixa claro mais uma vez que Ele é Deus, pois se voltarmos ao Gn 22.1 vemos que quem mandou Abraão sacrificar Isaque foi Deus:

“E aconteceu depois destas coisas, que provou Deus a Abraão, e disse-lhe: Abraão! E ele disse: Eis-me aqui.”

No verso 12 o Anjo diz a Abraão que ele não negou Isaque para Ele:

“Então disse: Não estendas a tua mão sobre o moço, e não lhe faças nada; porquanto agora sei que temes a Deus, e não ME negaste o teu filho, o teu único filho.” (grifo meu)

Aqui podemos ver que o Anjo do Senhor fez uso do pronome pessoal da primeira pessoa do singular ME (eu, me, mim). Se Ele não fosse Deus, Ele usaria o pronome pessoal na terceira pessoa do singular LHE (de ELE) e não ME.

Nos versos 15 ao 18, ao prestarmos a atenção aos detalhes, veremos que trata-se do próprio Deus:

“Então o Anjo do Senhor bradou a Abraão pela segunda vez desde os céus, e disse: Por mim mesmo jurei, diz o Senhor: Porquanto fizeste esta ação, e não me negaste o teu filho, o teu único filho, que deveras te abençoarei, e grandissimamente multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus, e como a areia que está na praia do mar; e a tua descendência possuirá a porta dos seus inimigos; E em tua descendência serão benditas todas as nações da terra; porquanto obedeceste à minha voz.” (grifo meu)

Quem bradou do céu foi o Anjo do Senhor (verso 15), o Anjo jurou por Ele mesmo (verso 16) pois, segundo Hb 6.13, Deus não tem ninguém maior por quem jurar, por isso é que o escritor de Hebreus diz que Ele jurou por si mesmo:

“Porque, quando Deus fez a promessa a Abraão, como não tinha outro maior por quem jurasse, jurou por si mesmo...”

E o Anjo fez a mesma coisa ao jurar por Si mesmo. Os pronomes e os verbos estão todos na primeira pessoa do singular mim, jurei, me, abençoarei, multiplicarei e minha. Por fim, o Anjo do Senhor afirma que Abraão obedeceu à voz dEle (verso 18).

Em Gn 32.24-30 vemos Jacó lutando com o Anjo do Senhor. Embora em Gênesis nada diga tratar-se do Anjo do Senhor, o profeta Oséias (12.4) diz-nos que Jacó havia lutado com o Anjo:

Lutou com o Anjo, e prevaleceu; chorou, e lhe suplicou; em Betel o achou, e ali falou conosco”. (grifo meu)

Voltando para Gn 32.24-30, no verso 28, o Anjo afirma que Jacó havia lutado com Deus:

“Então disse: Não te chamarás mais Jacó, mas Israel; pois como príncipe lutaste com Deus e com os homens, e prevaleceste.” (grifo meu)

Quando no verso seguinte (29) Jacó pede para que o Anjo diga o Seu Nome, Ele recusa. Isso leva-nos até Juízes 13 que tratarei mais adiante. No verso 30 Jacó afirma que viu Deus face a face ao lutar com o Anjo:

“E chamou Jacó o nome daquele lugar Peniel, porque dizia: Tenho visto a Deus face a face, e a minha alma foi salva.” (grifo meu)

Quando Jacó está prestes a morrer, em Gn 48, ele começa abençoando os filhos de José. Do verso 15 em diante Jacó começa a sua benção falando de Deus e no verso 16 ele pede que o Anjo do Senhor abençoe seus netos. Se o Anjo do Senhor não fosse Deus, por que Jacó clama pela benção dEle?:

O Anjo que me livrou de todo o mal, abençoe estes rapazes, e seja chamado neles o meu nome, e o nome de meus pais Abraão e Isaque, e multipliquem-se como peixes, em multidão, no meio da terra.” (grifo meu)

No chamado de Moisés, em Êxodo 3, no verso 2 diz que quem estava na sarça era o Anjo do Senhor:

E apareceu-lhe o anjo do Senhor em uma chama de fogo do meio duma sarça; e olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumia.” (grifo meu)

Quando Moisés, no verso 3, falando consigo mesmo, diz que pretendia chegar mais perto para ver por que a sarça não se consumia, Deus, do meio da sarça (verso 4) bradou a Moisés para que não olhasse:

“E Moisés disse: Agora me virarei para lá, e verei esta grande visão, porque a sarça não se queima. E vendo o Senhor que se virava para ver, bradou Deus a ele do meio da sarça, e disse: Moisés, Moisés. Respondeu ele: Eis-me aqui.” (grifo meu)

Agora parece haver um problema, pois no verso 2 diz que era o Anjo do Senhor que estava na sarça, no verso 4 diz que era Deus, logo, como não pode haver contradições nas Escrituras, a conclusão é que o Anjo do Senhor é Deus.

No verso 5 de Êxodo 3, Deus ordena a Moisés que tirasse as sandálias dos pés, porque o lugar onde estava era santo, isto é, sagrado. Uma pequena observação que quero deixar aqui é que o monte Sinai só foi chamado de santo devido ao fato de que o próprio Senhor estava ali, pois, por si só o monte não seria santo, mas a presença do Senhor é que tornava o local santo:

“E disse: Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa.”

No verso 2 é afirmado que tratava-se do Anjo do Senhor, mas quando começa o diálogo com Moisés, o texto bíblico apresenta o próprio Senhor falando com ele. O texto acima (Êx 3.5) remete-nos até Josué 5.13-15, que, embora não diz claramente tratar-se do próprio Anjo do Senhor. Deixa transparecer que tratava-se do próprio Senhor (confere Josué 6.2 que continuação direta do capítulo 5), pois. Além das semelhanças existentes nos dois relatos, esse Príncipe aceitou a adoração prestada por Josué:

“E sucedeu que, estando Josué perto de Jericó, levantou os seus olhos e olhou; e eis que se pôs em pé diante dele um homem que tinha na mão uma espada nua; e chegou-se Josué a ele, e disse-lhe: És tu dos nossos, ou dos nossos inimigos? E disse ele: Não, mas venho agora como príncipe do exército do Senhor. Então Josué se prostrou com o seu rosto em terra e o adorou, e disse-lhe: Que diz meu senhor ao seu servo? Então disse o príncipe do exército do Senhor a Josué: Descalça os sapatos de teus pés, porque o lugar em que estás é santo. E fez Josué assim.” (grifo meu)

A aceitação da adoração prestada por Josué já é por si só a mais forte evidência de que se trata do próprio Deus.

Em Juízes 13, outra vez podemos observar, agora mais claramente, que o Anjo do Senhor é Deus, pois aceitou o holocausto oferecido por Manoá:

“Então Manoá levantou-se, e seguiu a sua mulher, e foi àquele homem, e disse-lhe: És tu aquele homem que falou a esta mulher? E disse: Eu sou. Então disse Manoá: Cumpram-se as tuas palavras; mas qual será o modo de viver e o serviço do menino? E disse o Anjo do Senhor a Manoá: De tudo quanto eu disse à mulher guardará ela. De tudo quanto procede da videira não comerá, nem vinho nem bebida forte beberá, nem coisa imunda comerá; tudo quanto lhe tenho ordenado guardará. Então Manoá disse ao Anjo do Senhor: Ora deixa que te detenhamos, e te preparemos um cabrito. Porém o Anjo do Senhor disse a Manoá: Ainda que me detenhas, não comerei de teu pão; e se fizeres holocausto o oferecerás ao Senhor. Porque não sabia Manoá que era o Anjo do Senhor.” (grifo meu)

Quando prestamos mais atenção ao verso 16, podemos ver a expressão “Porque não sabia Manoá que era o Anjo do Senhor”, isto é, o próprio Deus. Isto fica mais claro nos versos 21 e 22 que diz:

E nunca mais apareceu o Anjo do Senhor a Manoá, nem a sua mulher; então compreendeu Manoá que era o Anjo do Senhor. E disse Manoá à sua mulher: Certamente morreremos, porquanto temos visto a Deus. (grifo meu)

Semelhantemente com disse Jacó (Gn 32.30), Manoá também afirmou ter visto o próprio Senhor:

E disse Manoá à sua mulher: Certamente morreremos, porquanto temos visto a Deus.” (grifo meu)

Ver Deus na face do Anjo do Senhor pode ser mais bem compreendido ao analisarmos o que o Senhor Jesus disse a Filipe em João 14.9:

“Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?” (grifo meu)

O Senhor quis dizer a Filipe que quem olhasse para Ele estava, de fato, contemplando o próprio Deus, e no AT quem olhava para o Anjo do Senhor, semelhantemente, também estava olhando para o próprio Deus:

“E ela chamou o nome do Senhor, que com ela falava: Tu és Deus que me vê; porque disse: Não olhei eu também para aquele que me vê?” (Gn 16.13 – Agar)

“E chamou Jacó o nome daquele lugar Peniel, porque dizia: Tenho visto a Deus face a face, e a minha alma foi salva.” (Gn 32.30 – Jacó)

E disse Manoá à sua mulher: Certamente morreremos, porquanto temos visto a Deus.” (Jz 13.22 – Manoá)

Outra coisa que se desprende de Juízes 13.17,18 é que o Anjo do Senhor revela sua verdadeira identidade, isto é, Seu Nome. Quando Manoá pergunta ao Anjo do Senhor qual é o Seu Nome, a resposta dada a Manoá é esclarecedora:

“E disse Manoá ao Anjo do Senhor: Qual é o teu nome, para que, quando se cumprir a tua palavra, te honremos? E o Anjo do Senhor lhe disse: Por que perguntas assim pelo meu nome, visto que é Maravilhoso?”

Aqui o Anjo do Senhor afirma que o Seu Nome é Maravilhoso, e isso nada mais é do que o Nome do Senhor Jesus profetizado pelo profeta Isaías em 9.6:

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.” (grifo meu)

Esse texto é uma profecia acerca do Messias, isto é, Jesus Cristo, e Isaías profetizou que um dos nomes do Messias seria justamente Maravilhoso, conforme o Anjo do Senhor havia revelado a Manoá. Isso deixa explícito que o Anjo do Senhor é o próprio Cristo antes de sua encarnação (não confundir com reencarnação) conforme relatam os Evangelhos. E para concluir esse pensamento de que o Anjo do Senhor é o Cristo, devemos ir agora até Malaquias 3.1, que diz:

“Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; e de repente virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais; e o mensageiro da aliança, a quem vós desejais, eis que ele vem, diz o Senhor dos Exércitos.” (grifo meu)

Esse texto está tratando de uma profecia acerca de João Batista (Marcos 1.2), que precederia o Senhor Jesus. Que é o próprio Senhor Jesus quem está falando em Malaquias 3.1 podemos ver no pronome pessoal mim que aparece no texto. E que também se trata do Anjo do Senhor, pode ser notado na expressão “Mensageiro da Aliança”. Anjo e Mensageiro significam a mesma coisa e ambos vêm do hebraico MALACH. E Mensageiro da Aliança refere-se a aliança feita a Abraão em Gn 22.15-18:

“Então o Anjo do Senhor bradou a Abraão pela segunda vez desde os céus, e disse: Por mim mesmo jurei, diz o Senhor: Porquanto fizeste esta ação, e não me negaste o teu filho, o teu único filho, que deveras te abençoarei, e grandissimamente multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus, e como a areia que está na praia do mar; e a tua descendência possuirá a porta dos seus inimigos; e em tua descendência serão benditas todas as nações da terra; porquanto obedeceste à minha voz.”

Por fim, o texto de Malaquias 3.1 deixa transparecer ainda que o povo a quem foi dirigida a mensagem, buscavam (ou esperavam) o Mensageiro (ou Anjo) da Aliança, isto é, o Messias!

No Salmo 34.7 diz que:

O Anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra.”

Nesse texto fica explícito um dos atributos exclusivos de Deus que é a Onipresença, pois como o Anjo do Senhor acampará ao redor de todos os que O temem? E mais, o artigo O que vem antes de “temem” refere-se ao Anjo do Senhor. A Palavra do Senhor ensina-nos a temer ao Senhor, e aqui neste Salmo a Palavra de Deus afirma que os que temem ao Anjo do Senhor, serão libertos. Para fazer isso, o Anjo do Senhor só pode ser o Deus Todo-Poderoso.

Conclusão:

Podemos concluir que o Anjo do Senhor é o próprio Deus, e o próprio Senhor Jesus antes de sua vinda como homem. Para se entender melhor como que Cristo existiu antes de sua encarnação, deveremos entrar na matéria da teologia chamada Cristologia, que nos ensina detalhadamente a eternidade de Cristo, isto é, que Jesus já existia antes de todas as coisas, pois Ele é Deus e um dos principais atributos da divindade é justamente a sua Eternidade, mas esse não é o assunto em questão, portanto não será tratado aqui. Achei importante tratar acerca do Anjo do Senhor porque é muito difícil encontrar qualquer artigo acerca disso. Meus muitos livros que tratam acerca da Angelologia (o estudo sobre os anjos) falam pouco ou quase nada a respeito do Anjo do Senhor. Muitas Bíblias de estudos também. Então, acredito que mostrar a verdadeira identidade do Anjo do Senhor possa ajudar alguns irmãos que ainda estão na dúvida. Espero sinceramente que Deus, pelo Seu Espírito, dê cada vez mais conhecimento, sabedoria e compreensão da Sua Palavra àqueles que buscam com o coração sincero conhecer a Verdade que liberta de todo erro.

Douglas Diniz , 18 de janeiro de 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário